Presidente da Autoridade Pública Olímpica passeia pela Baía de Guanabara e não gosta do que viu

© Tânia Rêgo/Abr

© Tânia Rêgo/Abr

Cristina Indio do Brasil
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Um passeio pela Baía de Guanabara, na escuna Nogueira da Gama, da Marinha do Brasil, serviu para o presidente da Autoridade Pública Olímpica (APO), Márcio Fortes, observar hoje (3) as condições da água do local que receberá as competições de vela dos Jogos Olímpicos de 2016. Durante uma hora e 20 minutos, Fortes apontou para os integrantes dos grupos de Sustentabilidade e de Saneamento da APO lugares onde se podia ver a poluição, com lixo ou com óleo.

A avaliação desta sexta-feira foi a segunda feita pelo presidente da APO. Na primeira, acompnahdo do biólgo Mário Moscatelli, Fortes sobrevoou, de helicóptero, a Baía de Guanabara e não gostou do que viu. Hoje, segundo ele, a situação foi um pouco melhor, mas fez a ressalva de que as condições da poluição dependem da maré.

“A visão do alto é bem diferente de sair pelo mar onde se perde a perspectiva. Do alto você vê as manchas de óleo, a quantidade de lixo depositada em diversas áreas, sobretudo nas margens quando a maré está baixa. A qualidade da água se pode sentir do alto, e é possível ver como a poluição avança. Eu hoje não vi muito lixo, mas isso também depende da maré alta ou baixa. Hoje até que estava razoavelmente limpo. A qualidade a gente só pode sentir do alto, de helicóptero, mas se a gente for olhar as margens próximas à Marina da Glória ou no Caju, é inacreditável”, disse ressaltando que ficou assustado com a quantidade de lixo.

© Tânia Rêgo/Abr

© Tânia Rêgo/Abr

Segundo Fortes, as duas avaliações vão gerar um relatório que será encaminhado ao governo federal para discussão das soluções emergenciais a fim de diminuir a poluição da baía. “O Programa de Despoluição da Baía de Guanabara vem de muito tempo, vem da década de 1990, e os resultados não foram os esperados. Então, temos que pensar agora em soluções que tragam para as competições uma qualidade de água desejável e ausência de lixo”, declarou.

O passeio normalmente é feito no rebocador Laurindo Pitta, mas como ele passa por manutenção, está sendo usada a escuna Nogueira da Gama. A viagem é uma das atrações turísticas do Rio de Janeiro. O ponto de partida é o Centro Cultural da Marinha, na Praça XV, no centro do Rio. Para Márcio Fortes, o fato de levar tantos turistas para conhecer a Baía de Guanabara, o passeio também acaba deixando evidente as condições ambientais do local. “O turista constata que o poder público tem que fazer alguma coisa para combater a questão e sobretudo a presença de lixo na Baía de Guanabara”, disse.

Edição: Aécio Amado

Galeria de Imagens

03/05/2013 – 19h30
Agência Brasil

Regata ecológica da Marinha recolhe 220 quilos de lixo na Baía de Guanabara

Cerca de 20 embarcações da Marinha participam da regata ecológica, que promove limpeza na Baía de Guanabara Tânia Rêgo/Abr

Cerca de 20 embarcações da Marinha participam da regata ecológica, que promove limpeza na Baía de Guanabara
© Tânia Rêgo/Abr

Vladimir Platonow
Repórter da Agência Brasil

Rio de Janeiro – Bonecas, bolsas, sapatos, brinquedos, garrafas de plástico, pedaços de madeira, isopor e até partes de um computador estão entre os 220 quilos de lixo recolhidos das águas da Baía de Guanabara, na tarde de hoje (22), em apenas duas horas, durante uma regata ecológica. Participaram do evento 250 pessoas, distribuídas em 20 embarcações, incluindo alunos da Escola Naval e de cinco universidades.

Para o comandante da Escola Naval, contra-almirante Antônio Carlos Soares Guerreiro, o principal objetivo é levar conhecimento ecológico tanto aos alunos como à população que vive no entorno da Baía de Guanabara.

“Esta regata nasceu com o propósito de conscientizar os alunos para a preservação do meio ambiente e, logo em seguida, integramos os jovens das universidades. Estamos na décima quarta edição e observamos que a quantidade de lixo vem aumentando com o passar dos anos. O grande propósito é educar as pessoas que vivem próximo às margens de rios e riachos para que não joguem lixo neste espelho d´água, principalmente quando se aproximam os Jogos Olímpicos de 2016, que terão importantes regatas aqui, na baía.”

Entidades de defesa do meio ambiente também participaram da regata, com objetivo de denunciar os crimes ecológicos, como o biólogo Rodrigo Gaião, coordenador da organização Guardiões do Mar. “A maior fonte de poluição é o esgoto doméstico, que afeta principalmente a área mais ao fundo da baía [parte mais interna], que de tão assoreada já é possível caminhar com água pelas canelas. Apesar disso, ainda podemos identificar animais silvestres, como boto, jacaré, lontra e capivara. Peixes maiores, como o robalo e o melro, já são difíceis de serem encontrados. A garoupa ainda subsiste, principalmente junto às pedras.”

Entre os projetos desenvolvidos pela Guardiões do Mar, está o Uçá, que busca preservar o caranguejo que dá nome ao projeto. O uçá já foi abundante na Baía de Guanabara, mas hoje só é encontrado em poucas áreas preservadas, como a Área de Proteção Ambiental de Guapi-Mirim. A baía recebe 35 rios. Eles banham 16 municípios localizados no entorno da Baía de Guanabara, onde vivem 11 milhões de pessoas.

Edição: Aécio Amado

Galeria de Imagens

22/05/2013 – 18h59
Agência Brasil

Marine Debris: Cause, Effect, and Prevention

Trash and litter is not only harmful to our health, but also to marine life at sea. Marine life such as turtles, birds, and the fish we catch and eat mistake this trash for food. Most of this trash begins its journey on land and enters the ocean through our streams, rivers, and waterways. See and hear how this harmful problem can be prevented and how EPA’s efforts can keep our oceans clean.

For more information about marine debris, go to http://water.epa.gov/type/oceb/marinedebris/index.cfm
For more about EPA: http://www.epa.gov/
We accept comments according to our comment policy: http://blog.epa.gov/blog/comment-policy/
Disclaimer: The U.S. Government does not promote or endorse any non-Government or commercial content appearing on this page.

Published on May 16, 2013
US Environmental Protection Agency