Lixo marinho: Socorro (SE) marca presença na Conferência Nacional do Meio Ambiente

© Global Garbage Brasil

© Global Garbage Brasil

Dois representantes de Nossa Senhora do Socorro, Quitéria da Silva, representante dos catadores da cooperativa Reviravolta, e Givanildo Santana, representando as Comunidades Tradicionais, da pesca e aquicultura, participaram de 24 a 27 de outubro, da 4ª Conferência Nacional do Meio Ambiente. O evento aconteceu no Centro Internacional de Convenções de Brasília e atraiu mais de dois mil participantes.

Durante a conferência, os participantes debateram sobre o tema central da conferência que foi Resíduos Sólidos, distribuídos em quatro eixos temáticos. São eles: Produção e Consumo Sustentáveis; Redução dos Impactos Ambientais; Geração de Trabalho, Emprego e Renda; e Educação Ambiental.

A conferência Nacional teve como meta qualificar poder público, o setor privado, a sociedade civil, as cooperativas de catadores para reduzir a geração dos resíduos sólidos, assumir responsabilidades com a construção de uma sociedade sustentável e lançar um novo olhar sobre os resíduos sólidos, reconhecendo-os como um bem econômico e de valor social, gerador de trabalho e renda.

A catadora Quitéria da Silva falou sobre a experiência de participar da Conferência Nacional do Meio Ambiente. “Com certeza aprendemos bastante nessa conferência. Vou levar para o meu dia-a-dia os aprendizados do evento. O que achei mais importante foram os debates, pois tratou das cooperativas, dos resíduos. Tanto eu quanto Givanildo saímos de Brasília ainda mais experientes em relação à cooperativa de reciclagem.

Uma das propostas defendidas por Givanildo e aprovadas na plenária foi a de fornecer transparência no diálogo da sociedade civil organizada com o poder público e usuários de água visando a educação e sensibilização sobre o problema do lixo marinho e nos demais corpos hídricos, criando diretrizes para as parcerias entre o corpo técnico do governo e os tomadores de decisão, com direcionamento de esforços para combater o lixo marinho, além de estabelecer incentivos fiscais, financeiros e creditícios aos municípios e instituições organizadas que promovam a redução dessa poluição. “Um dos objetivos da participação na conferência foi pegar informações sobre o Conselho Nacional de Pesca e Equicultura para implantar no Município”, disse ele.

30/10/2013 08:59
ANS – Agência Notícias de Socorro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *