Ecobarcas começam trabalho de recolhimento de lixo da Baía de Guanabara

© Tânia Rêgo/ Agência Brasil

© Tânia Rêgo/ Agência Brasil

Da Agência Brasil
03/01/2014 – 12h55

Rio de Janeiro – A Secretaria Estadual do Ambiente começou hoje (3) a operar três embarcações especializadas em recolhimento de lixo, para retirar resíduos flutuantes da Baía de Guanabara. Nas próximas semanas, uma base de operação será instalada no Clube Jardim Guanabara, na Ilha do Governador, na zona norte, e outra na Escola Naval, na região central do Rio. Ao todo, dez ecobarcos foram contratados para limpar a Baía.

Os resíduos recolhidos serão depositados em contêineres da Companhia de Limpeza Urbana (Comlurb), instalados na Marina da Glória, e encaminhados para indústrias de reciclagem. A iniciativa é financiada pelo Fundo Estadual de Conservação Ambiental (Fecam) e está orçada em R$ 3 milhões. A ação integra o projeto Baía Sem Lixo 2016, uma das 12 ações do plano Guanabara Limpa.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, informou que foram recolhidos na manhã desta sexta-feira resíduos sólidos variados, como bancos, assentos de vaso sanitário e grandes galhos de árvore.

“Hoje a gente pegou a tampa de uma latrina aqui e um galho enorme de uma árvore. Não é só a questão da poluição, é a questão do risco de acidentes com as embarcações. Porque esses grandes resíduos podem quebrar hélices de barcos e causar acidentes”, disse o secretário.

Ainda segundo Minc, além da coleta de lixo flutuante, a campanha visa também à conscientização dos donos e usuários de barcos. “Estamos aqui com o apoio da Marina da Glória. Já tem uma orientação para uma campanha de conscientização dos proprietários de barcos, para coletarem também o lixo flutuante, para tomarem conta dos lixos dos próprios barcos”.

O projeto Baía Sem Lixo 2016 prevê ainda, para fevereiro, o início da construção de oito ecobarreiras às margens da Baía de Guanabara. Atualmente, dez ecobarreiras estão espalhadas pelo estado. Elas recolhem, em média, 15 toneladas de lixo por mês. As ecobarreiras são estruturas feitas de materiais reciclados instaladas próximas à foz de rios para o recolhimento de resíduos sólidos.

O plano Guanabara Limpa espera alcançar o saneamento de 80% da Baía de Guanabara até 2016, quando vai sediar competição de barco a velas durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.

Veja a galeria de fotos aqui

Edição: Denise Griesinger

Notícias relacionadas
Baía de Guanabara continua poluída depois de 20 anos de investimento
Conheça o programa de despoluição da Baía de Guanabara
O Lixo Flutuante em Regiões Metropolitanas Costeiras no Âmbito de Políticas Públicas: O Caso da Cidade do Rio de Janeiro
Ecobarreiras: conheça o projeto que visa despoluir a Baía de Guanabara
Baía de Guanabara
Análise de política pública sobre lixo marinho em diferentes níveis governamentais

4 ideias sobre “Ecobarcas começam trabalho de recolhimento de lixo da Baía de Guanabara

  1. CONTEI, NO GOOGLE, CERCA DE 90 RIOS OU CANAIS, DESAGUANDO NA BAIA DE GUANABARA.
    DOMINGO, FUI VELEJAR, E MAIS UMA VEZ, VI LIXO DE TODO O TIPO, E FUI OBRIGADO A REDUZIR A VELOCIDADE, E DESISTIR DE NAVEGAR, POIS NÃO HAVIA COMO. E ISTO, SEM CONTAR O FEDOR DA ÁGUA PODRE.
    VI DESDE TANQUE DE LAVAR ROUPA ATÉ TÁBUAS DE 30CM X 3M.
    OS BARQUINHOS VERDES SÃO ALGO COMO:
    1- ENXUGAR GELO;
    2- SERVIÇO PARA INGLÊS VER;
    3- ETC.

    OS RESPONSÁVEIS E CO-RESPONSÁVEIS DE HOJE EM DIA, PRECISAM É TRATAR ESTES 90 CANAIS NA FONTE, ONDE O LIXO ENTRA NO CIRCUITO, COM AÇÕES TÉCNICAS E DE EDUCAÇÃO, COMO IMPLEMENTAÇÃO DOS SISTEMAS DE ESGOTO, CUJAS VERBAS SAEM, E NUNCA SE REVERTEM EM PRODUTO ÚTIL. NÃO É ESPERAR ACONTECER PARA DEPOIS REMEDIAR,…, E MAU.

  2. Acredito que essas ecobracas so trabalharam na primeira semana de 2014 pois velejo quase todos os dias e nunca vejo as tais ecobarcas.
    De qualquer forma é inacreditável se pensar que será possivel limpar a baia com essas barcas sem que haja uma açao planejada conjuntamente com outras secretarias envolvidas no problema.
    É imprescindivel que a CEDAE construa o cinturao na Gloria para recolher o esgoto e jogá-lo no emissário de Ipanema. Além disso, é preciso fazer uma forte e longa campanha de conscientizaçao da populaçao (e não somente de usuários de embarcações) sobre o descarte de dejetos sólidos na baia e as consequencias desse comportamento para a saúde pública e para a imagem do Rio de Janeiro.
    Uma outra medida que precisa ser adotada de imediato é a fiscalizaçao e consequente punição de grandes embracações que aportam na cidade e resolvem fazer a limpeza de seus porões.
    Finalmente, as várias Marinas existentes na baia devem ser engajadas no processo e levadas a participarem como atores principais em todas essas medidas que contribuam com a limpeza e qualidade da nossa querida BG.

  3. Iniciativa de fácil implementação e midiática.
    Antes de despoluir, precisamos parar de poluir e educar para que isso se estabeleça na cultura do carioca.

    É preciso melhorar o tratamento de esgotos.

  4. Caros,

    claro que tirar uma, apenas uma, garrafa Pet, por exemplo, do Mar, é um Fato Histórico também; tira-se uma “peça” que poderia ser uma referencia, centenas de anos depois.

    Desta forma não podemos desconsiderar a ação das ecobarcas, entretanto e necessário dizer que diante da quantidade de lixo que chega Baia, pode-se utilizar o ditado: é “cobrir o Sol com uma peneira”, ou melhor dizendo,

    é Limpar toda Baia da Guanabara com apenas Uma peneira de mão.

    Há é de se ter muito Investimento em Educação e em Coleta de Materiais Recicláveis, que, com a atual Ciência, já são praticamente todos.

    De fato, qual será o Volume Final de Verbas que será injetado nesta iniciativa?

    Antonio Guedes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *