NOO DOCS | LIXÃO

Um dia, 40 toneladas de lixo. A NOO TV registrou a ação em Copacabana

22/01/2014 às 5:27 pm – por Olivia Nachle

E a cena se repete diariamente. A praia lota, a galera se diverte, biscoito Globo aqui, mate acolá, cervejinha pra refrescar. Um cigarrinho, o chicletão, a embalagem da revista. Curtição total. Admitamos: não tem melhor lugar pra gastar a onda que não na praia. Tá com calor? Vai no mar! Refrescou? Volta pro sol. A praia é sua, também, ô se é. Mas não dá pra entender direito por que raios, no fim do dia, quando todo mundo já voltou pro conforto das suas casas, aquele praião que você encontrou de manhã tá cheio, cheinho, cheiaço de lixo. O pacote do Globo, o copo do mate, a garrafa do Guaraviton, as guimbas do cigarro, o papel do chiclete, o plástico… Ficou tudo lá. POR QUE, RAIOS!?

Faltou levar bronca dos pais quando pequeno? Faltaram campanhas pra conscientizar? Faltou saber das consequências diretas de “esquecer” o lixo na praia?Faltou sentir no bolso o preço do seu lixo? Pode ser. Mas, sejamos honestos, no fundinho, todo mundo sabe que é errado jogar lixo no chão. Na areia, então…

Todo esse sermão porque, vem dia, passa dia, e tudo continua na mesma. Prova concreta, explícita, demonstrada disso: no feriado de segunda-feira, Dia de São Sebastião, padroeiro do Rio, uma parceria entre a Comlurb e o movimento “Rio Eu Amo, Eu Cuido” escancarou toda essa sujeira. Todo o lixo deixado nas areias da Praia de Copacabana foi reunido e exposto na altura da Rua Constante Ramos. 40 toneladas de lixo. QUARENTA TONELADAS “esquecidas” na areia. Na areia da praia, da sua praia. Esse mesmo lixo que, com a subida da maré, com o vento, com a chuva, vai pro mar. Pro mesmo mar que refresca quando você fica com calor. Você provavelmente já deu um mergulhão e teve um rótulo de garrafa d’água grudado na sua perna. A vida marinha sente diretamente essa sujeirada toda.

“As pessoas acham que o pequeno lixo, uma guimba, um copinho, não incomoda. Mas essa montanha de lixo é feita de pequeno lixo. O lixo de cada um faz uma grande diferença”, conta Ana Lycia Gayoso, coordenadora do movimento. E faz mesmo. Nesse caso aquela velha máxima “não é porque os outros fazem que você pode fazer” vale muito. Isso não é justificativa. Conscientização é a palavra principal. E é isso que essa ação quis despertar nas pessoas. Porque, desde o primeiro dia do verão, quem jogou lixo e foi pego pelos fiscais sentiu direto no bolso, com multa que vai de R$98 a R$3 mil. Ou seja, é melhor criar o hábito de levar seu lixinho próprio e jogá-lo no lugar certo.

A NOO acompanhou a ação, com imagens lindas do praião e todo o resultado feio da montanha de lixo que se formou. Play já!


Imagens | Fernando Muñoz e Luiz Felipe Berto

Edição | Fernando Muñoz e Luiz Felipe Berto

Produção | André Neves

Arte | Luiz Felipe Berto

Agradecimentos | Gefferson Alves | Hotel Pestana | Rio Eu Amo Eu Cuido | Prefeitura do Rio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *