Lixo afasta banhistas da Praia de Icaraí, em Niterói

Enquanto praias da Região Oceânica tiveram grande procura no feriado, Zona Sul de Niterói ficou vazia devido à sujeira. Quantidade de lixo na areia afastou frequentadores

Durante a sua corrida diária, o militar Emilio Augusto teve que driblar os urubus e tomar cuidado com o lixo na areia. Foto: Marcelo Feitosa

Durante a sua corrida diária, o militar Emilio Augusto teve que driblar os urubus e tomar cuidado com o lixo na areia. Foto: Marcelo Feitosa

por Igor Mello e Patrícia Vivas, do Jornal O Fluminense
21/04/2014

Quem tentou tomar banho de mar na Zona Sul de Niterói foi surpreendido pela sujeira que tomou conta da orla e chegou até a areia. Os banhistas que foram à praia de Icaraí, durante a tarde de ontem, por exemplo, tiveram que conviver com muito lixo e disputar espaço na areia com os urubus.

A maior concentração de lixo foi vista entre as ruas Miguel de Frias e Alvares de Azevedo. Uma grande quantidade de detritos, como garrafas e copos plásticos, foram trazidos pela maré. A enfermeira Carolina Hipolito, de 35 anos, desistiu de deixar os três filhos tomarem banho no local e pretendia rumar para Camboinhas, na Região Oceânica.

“Eu não costumo vir para Icaraí. É a primeira vez que trago eles e estou apavorada com a quantidade de sujeira. Sempre evitei porque falam que a praia é suja, mas agora está pior que nunca. Com essa água imunda não confio de deixar eles tomarem banho”, afirmou a enfermeira.

O militar da reserva Emilio Augusto, de 50 anos, tentou driblar os urubus e o lixo para manter o hábito de correr diariamente nas areias de Icaraí. Segundo ele, que é morador do Centro, a quantidade de detritos oferece risco inclusive à saúde dos frequentadores.

“Quem garante que no meio desse lixo não tem uma seringa usada, por exemplo? As autoridades dizem que Icaraí é a Princesinha do Mar de Niterói. Se querem comparar com Copacabana, deveriam dar tratamento parecido. Falta limpeza e infraestrutura aqui”, critica, lembrando da ausência de banheiros e de um posto para os salva-vidas.

Durante a tarde, nenhuma equipe da Companhia de Limpeza de Niterói (Clin) foi vista no local para tentar resolver o problema da sujeira na areia da praia de Icaraí.

Movimentação – As praias da Região Oceânica de Niterói ficaram cheias no feriado de Tiradentes, mesmo com o tempo instável. Em Camboinhas, o movimento não foi tão grande durante o feriadão, mas na praia e prainha de Itacoatiara era possível encontrar os moradores da cidade aproveitando os últimos dias de folga.

De acordo com o proprietário do quiosque “Camboinhas, lá vou eu de novo”, Jader Lucena, de 57 anos, o tempo instável não foi a favor de quem queria aproveitar a praia nesse feriadão.

“O movimento foi fraco, mas dentro da normalidade do tempo que não ajudou. Além disso, muita gente viajou já que foram muitos dias livres seguidos. Mas mesmo assim a praia não ficou completamente vazia, teve gente que veio mesmo com o tempo esquisito. Eu mesmo se não fosse comerciante já estaria aproveitando a praia”, comentou.

Já na praia e prainha de Itacoatiara, o movimento foi bom durante o feriado. Na manhã de ontem, muitas famílias ocuparam a areia da praia. Foi o caso do administrador Alex Gomes, de 37, que voltou de viagem no domingo e decidiu aproveitar os últimos dias de feriado na praia com a família.

“Mesmo sem muito sol, dá pra aproveitar uma praia. Nós voltamos de viagem ontem (domingo) e temos até quarta-feira para curtir o mar”, disse.

O vendedor Guido Pimentel, de 50, relatou que, embora o tempo estivesse ruim, muita gente aproveitou para curtir a praia.

“O movimento não foi grande como deveria ser para um feriadão, até porque é final de mês, a população também viajou, mas ainda assim deu para aproveitar”, contou.

Tempo – Segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), nesta terça e quarta-feira, últimos dias do feriado prolongado, a possibilidade de chover chega a 90% e até trovoadas devem ocorrer a qualquer hora do dia.

Notícias relacionadas
Frequentadores da praia de Icaraí, em Niterói (RJ), tiveram que compartilhar a areia com muito lixo
Lixo também invade a Praia das Flechas, na Zona Sul da cidade
Cartão postal de Niterói tomado por muito lixo e mau cheiro
Primeiros testes da Ecobarreira na saída do Canal de São Francisco (abril 2014)
Afinal: quanto lixo gera uma praia?
O lixo flutuante em regiões metropolitanas costeiras no âmbito de políticas públicas: o caso da cidade do Rio de Janeiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *