Tweet do dia – Paulo Alexandre

A Comlurb participou neste domingo (07/12) de uma ação de conscientização na Prainha!

por Comlurb
08/12/2014 12:07:00

Foto: Comlurb

Foto: Comlurb

A Comlurb participou neste domingo (07/12) de uma ação de conscientização de limpeza na Prainha. O evento foi promovido pela Associação de Amigos e Surfistas da Prainha e contou com a presença do subprefeito da Barra, Alex Costa.

O Grupo Chegando de Surpresa animou os banhistas com musicas sobre limpeza urbana e meio ambiente, com a participação do gari Renato Sorriso e equipes de conscientização do Programa Lixo Zero. Enquanto a festa acontece, as equipes do Lixo Zero estarão conversando com moradores e visitantes sobre a importância de descartar o lixo corretamente, mantendo limpa a praia.

Prefeitura faz mutirão de limpeza na Ilha do Francês

Foto: Ana Chaffin

Foto: Ana Chaffin

por Alexandre Bordalo, da Prefeitura Municipal de Macaé
07/12/2014 11h57

Nos períodos da manhã e da tarde deste sábado (6), a prefeitura realizou o projeto ‘Verão Limpo’, na Ilha do Francês. Um mutirão de limpeza foi promovido pela Secretaria de Ambiente (Sema). Quarenta pessoas – entre funcionários da Secretaria de Limpeza, da Defesa Civil, da Guarda Ambiental e do Iate Clube, além de membros do 43º Escoteiro (Frade) e alunos do Núcleo em Ecologia e Desenvolvimento Sócio-Ambiental de Macaé (NUPEM), estiveram no arquipélago de Sant’Anna.

Na ocasião, foram recolhidos 25 sacos de lixo da ilha do Francês, com capacidade para 50 litros cada. De acordo com o secretário de Ambiente, Gerson Lucas, o objetivo do projeto é promover a conscientização. “Macaé é rica turisticamente em contar com cachoeiras, serra, lagoa, rios, ilhas e praias. É preciso promover a preservação”, pontua.

Durante a limpeza feita no local, pichações foram apagadas com jato d’água. Para o assessor da Sema, o ambientalista Vicente Klonovsk, elas ofendem a paisagem. “É necessário deixar a ilha bonita como um importante ecossistema que é. O material recolhido (plástico, latas de alumínio, restos de carvão, sacos de biscoito, carteiras de cigarros e outros) é deixado lá por turistas com maus hábitos. Mas muitos resíduos chegam à ilha levados por correntes marinhas. Todo esse lixo afeta peixes e aves, que se alimentam com algas marinhas, pois as confundem com sacolas de plástico, que os asfixia”, explicou.

A simples ação de recolher o próprio lixo das margens dos recursos hídricos e descartá-lo em local adequado ajuda a reduzir as consequências diretas da presença de resíduos em ambientes marinhos e costeiros.

Entre as consequências diretas do descarte de lixo nas praias e nas margens dos rios estão os danos aos seres vivos do ecossistema, como peixes, aves, tartarugas, mamíferos marinhos e invertebrados; a introdução de espécies exóticas (através da dispersão de plásticos flutuantes); os prejuízos à navegação e às atividades pesqueiras; a degradação da paisagem; o aumento de despesas municipais com limpezas periódicas; a dispersão de doenças através da proliferação de roedores e insetos e a diminuição das receitas advindas do turismo.

O projeto ‘Verão Limpo’ teve início neste sábado. No dia 20 será a vez de a mesma ação de limpeza ser feita nas praias do Pecado e dos Cavaleiros, numa parceria entre a Sema e a Ong Ambiental Aqualung. Os interessados em participar devem entrar em contato através de um dos telefones: (DDD 22) 2796-1380, 2796-1151 ou 2796-1280.

Alunos de Cabedelo participam de projeto sobre coleta de lixo em Praia Formosa

Foto: Michael Sampaio

Foto: Michael Sampaio

por Secom Cabedelo
4/12/2014

A Secretaria de Meio Ambiente, Pesca e Aquicultura (Semapa) e a Secretaria de Educação (Seduc) de Cabedelo participaram, nesta quarta-feira (03), da programação da II Semana Náutica da Paraíba, que vem acontecendo desde o último dia 30 na cidade. A atividade, realizada em Praia de Formosa, teve por finalidade a coleta de lixo marinho, e fez parte do projeto “Sudema na escola é toda semana”, de iniciativa da Coordenadoria de Educação Ambiental (Ceda) da Superintendência de Desenvolvimento do Meio Ambiente (Sudema).

Na ocasião, alunos do 9° ano da Escola Municipal Major Adolfo Maia percorreram cerca de um quilômetro recolhendo dezenas de resíduos das areias da Praia Formosa. A turma foi dividida em 04 grupos, cada grupo ficou responsável por colher um tipo de material (metal, papel, vidro e outros resíduos). Na chegada, na Sport Marina, foram realizadas apresentação de teatro de bonecos e servido um lanche para os participantes.

“Esse tipo de prática educacional é de suma importância, por ser um trabalho que vai além da classe, que leva o aluno a campo para mostrar a realidade de uma problemática que existe não só no nosso município, mas em todo o litoral brasileiro, que é o lixo nas praias. Através dessa iniciativa, busca-se conscientizar sobre a importância de coletar o lixo, separá-lo e usar locais adequados para o descarte. Isso facilita, sem dúvida, o trabalho do poder público que, sozinho, não consegue avançar, por isso precisa do apoio da comunidade e, sobretudo, a participação dos jovens que podem transmitir os ensinamentos”, destacou Walber Farias, à frente de Semapa em Cabedelo.

A coordenadora de Educação Ambiental da Sudema, Karina Massei, falou sobre os objetivos maiores do projeto, que é a criação de ecopontos nas cidades com base nas escolas.

“A escola que aceita esse projeto tem o objetivo principal de virar um ecoponto e também mobilizar a comunidade. É uma educação de dentro para fora,para que se consiga envolver a associação dos pais de alunos e os catadores da região, identificando essas pessoas e atuando junto a elas. Trabalhamos com a educação informal associada com a formal e, também, com a formação de professores. Além disso, fazemos a parte institucional com as Prefeituras e as várias secretarias, como Educação, Infraestrutura, Meio Ambiente, Esportes e Turismo”.

“Sudema na Escola” – O projeto “Sudema na escola é toda semana” foi desenvolvido em Cabedelo com os alunos do 9º ano da Escola Major Adolfo Pereira Maia, localizada no bairro do Monte Castelo. Durante 04 encontros, ao longo do mês de novembro, equipes da Ceda realizaram palestras e dinâmicas com a turma, no sentido de promover a conscientização sobre a importância da correta gestão dos resíduos sólidos.

Para o professor Guilhardo Martins, o projeto veio somar às atividades já desenvolvidas em suas aulas na Escola.

“Trabalhamos desenvolvendo projetos de educação ambiental na Escola, a exemplo da horta vertical, através do reaproveitamento de garrafas pet para plantar hortaliças. Esse projeto que alia conhecimento e conscientização sobre o manejo dos resíduos sólidos é muito importante nesse processo. Pretendemos dar prosseguimento a essa parceria, para incluir turmas mais jovens nas ações de educação ambiental”, concluiu.

João Henrique Dornelas, 16 anos, morador de Camalaú e participante do projeto, falou de suas impressões sobre a ação desenvolvida.

“Esse projeto é essencial nos dias de hoje. Chegamos a um ponto em que é preciso que isso aconteça, e não apenas uma vez por ano. Era necessário ter sempre palestras sobre esse assunto, afinal a gente tem que agir, não pode mais deixar de lado a questão, é preciso se informar mais. Tem que alertar os jovens, principalmente numa cidade como Cabedelo, que sofre demais com a degradação provocada pela desembocadura do rio que traz muito lixo e afeta seriamente o meio ambiente”.

II Semana Náutica – As atividades da II Semana Náutica, realizadas em Cabedelo, começaram no último dia 30 e seguem até a próxima segunda-feira (08). A Semana é uma promoção da Associação Náutica da Paraíba, com o apoio da Prefeitura Municipal de Cabedelo. O evento intitulado “A Paraíba na Vitrine do Turismo Náutico do Brasil” está sendo realizado no Iate Clube da Paraíba, no bairro do Jacaré, e visa promover o desenvolvimento do setor náutico no estado da Paraíba e no município de Cabedelo.

Ação recolhe cerca de 700 quilos de lixo do mangue e praia em Guaratuba

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Por Ana Cláudia Gomes, da Prefeitura de Bertioga
31 de outubro de 2014

Um grupo de cerca de 30 pessoas participou de ação no rio Guaratuba, no sábado (25), com o objetivo de retirar lixo do mangue e da praia. A iniciativa foi da comunidade e contou com apoio da Prefeitura de Bertioga, por meio da Secretaria de Meio Ambiente, com apoio da Secretaria de Serviços Urbanos.

Das 9 às 14 horas, foram coletados cerca de 700 quilos de lixo, sendo aproximadamente 100 quilos no mangue, quantidade considerada mais baixa diante de ações realizadas anteriormente. Para o trabalho, foram utilizados quatro barcos, um deles pertencente a um pescador da localidade. A participação da comunidade também foi expressiva e contou com apoio da Ong Boracéia Viva.

Pela análise do material coletado, realizada pela Diretoria de Operações Ambientais (DOA), vinculada à Secretaria de Meio Ambiente, a população está mais consciente da importância da preservação ambiental. O lixo retirado do mangue, principalmente, aparentava ter sido trazido pela chuva, diferente de ações anteriores em que era possível observar que se tratava de lixo descartado pelos usuários de rios e praias.

Periodicamente, a Prefeitura de Bertioga realiza mutirões para recolhimento de lixo no mangue, no Cantão do Indaiá, nas praias de Itaguaré e Guaratuba e também nas trilhas. Desde 2009, quando iniciaram as ações, a quantidade de recolhimento de lixo tem diminuído consideravelmente, em virtude da conscientização da população e das atividades de educação ambiental realizadas pela Secretaria de Meio Ambiente.

Gasto público do lixo marinho

Se todos os banhistas do Rio jogassem lixo na lixeira, seriam economizados R$ 2 milhões por ano

© Paula Giolito

© Paula Giolito

GOIS DE PAPEL
A coluna de hoje

Gasto público do lixo

Ainda inspirada na ação que desenvolveu em parceria com a ONG Rio Eu Amo Eu Cuido — de não recolher o lixo deixado na areia da praia durante o feriado do dia 20 —, a Comlurb fez uma conta.
Se todo mundo despejasse seu lixo nos 2.178 contêineres instalados nas areias da orla do Leme ao Pontal, a prefeitura iria economizar, por ano, R$ 2.083.392, dinheiro meu, seu, nosso.

Enviado por Ancelmo Gois – 23.01.2014 | 13h00m

78 toneladas de lixo são retiradas das praias de Aracaju durante o verão

Prefeitura gasta R$ 26 mil por mês com a limpeza.
Máquina recolhe pontas de cigarro e cascas de amendoim.

© Bernardo Mussi de Almeida

© Bernardo Mussi de Almeida

Do G1 SE
03/02/2014 13h40

Durante o verão são recolhidas 78 toneladas de lixos em praias de Aracaju, enquanto em outras estações do ano os números ficam em torno de 65 toneladas.

Por conta do acréscimo em volume de lixo, a prefeitura aumentou os dias da limpeza. “Normalmente trabalhamos em torno de três dias na semana. Mas por conta do fluxo, acrescentamos mais um dia”, informa o diretor de controle de operação da Emsurb, Robert Wylliam. Em média a prefeitura gasta R$ 26 mil por mês com a limpeza.

Em 23 km do litoral compreendidos desde o Farol da Coroa do Meio até o Mosqueiro em Aracaju 24 agentes trabalham para manter o espaço limpo. “Costumo encontrar na praia garrafa descartável, vidro, fraldas e objetos. Muita coisa poderia ser colocada no local certo, que é o lixo”, observa o agente de limpeza, Paulo Sérgio Gomes.

Para colaborar com a limpeza do meio ambiente o autônomo Genilson Santana de Souza, traz uma bolsa plástica para recolher todo tipo de embalagens. “Somos mais de três pessoas, o mínimo que podemos fazer é colaborar”, diz Genilson.

Clique aqui para assistir ao vídeo

Slum retira lixo e entulho na foz do Riacho Salgadinho

© Secom Maceió

© Secom Maceió

Secom Maceió
29/01/2014 – 12:34

Desde o início da manhã desta quarta-feira (29), mais de 90 agentes de limpeza da Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum) retiram lixo e entulhos da foz do Riacho do Salgadinho. Equipes iniciaram a remoção do lixo nas proximidades da comunidade de pescadores do Jaraguá e se concentram na foz do riacho. Para facilitar os trabalhos, operadores de caçambas, retroescavadeiras e tratores também estão no local. A ação é realizada durante todo o dia e se estenderá até a orla do Pontal da Barra, próximo ao Detran.

“Foram retiradas, somente na manhã de ontem, 150 toneladas de lixo. Intensificamos os serviços devido às ultimas chuvas. Os resíduos são os mais variados e têm origem no descarte irregular do lixo que com as forças das águas pluviais ficam concentrados aqui na foz”, disse Pablo Ângelo, diretor de operações da Slum. Ainda segundo declarou, já foram recolhidos restos de mobília, capacetes, pneus, frascos de vidros, embalagens plásticas, além de um colchão. “Para hoje, está prevista a remoção de mais 250 toneladas”, completou.

Na praia, a máquina Beach Teach 2000, capaz de recolher lixo até 30 centímetros de profundidade, também reforça as ações de limpeza. A limpadora possui capacidade de armazenar os resíduos sólidos e conta com recurso de higienizar a areia da praia por completo após três meses de utilização.

“A contribuição dos maceioenses na conservação da cidade é de grande importância para que, em épocas chuvosas, a população não sofra com pontos de alagamentos espalhados pela cidade”, explicou Pablo Ângelo. Ainda de acordo com o diretor, a Prefeitura tem trabalhado a conscientização ambiental, a exemplo do projeto Varre Grota.

“O projeto tem o objetivo de garantir uma faxina geral dentro das comunidades. É mais uma atividade que aproxima o cidadão da conservação da cidade. Já foram instaladas mais de 100 novas lixeiras nas comunidades São Rafael, Santo Onofre e Loteamento Ipanema, situadas no bairro do Jacintinho. A Slum já estuda ampliar esse projeto para demais regiões de Maceió”, disse.

Limpadora de praia recolheu 70 toneladas de resíduos em três semanas

© Ascom Slum

© Ascom Slum

Fernando Coelho – Ascom Slum
28/01/2014 – 15:36

Em operação há três semanas, a limpadora de praia adotada de modo pioneiro no Brasil pela Superintendência de Limpeza Urbana de Maceió (Slum) já removeu 70 toneladas de resíduos durante o seu período de funcionamento.

A atuação do equipamento está sendo inicialmente executada nas praias de Ponta Verde, Pajuçara e Avenida. Durante o dia, ela opera em trechos menos movimentados na praia da Avenida, entre a comunidade de pescadores de Jaraguá e o Emissário Submarino. Nos turnos da noite e da madrugada, a máquina percorre as praias de Pajuçara e de Ponta Verde.

“O equipamento tem atendido bem às expectativas. Ele tem conseguido retirar da faixa da areia tanto o resíduo pequeno quanto o grande”, avalia Gustavo Novaes, superintendente da Slum.

Fabricado com tecnologia alemã, o modelo Beach Tech 2000 realiza o serviço de limpeza e higienização da faixa de areia de modo mais eficiente que outros dispositivos utilizados anteriormente. A máquina puxada por um trator recolhe o lixo a até 30 centímetros de profundidade e possui capacidade de armazenar um metro cúbico e meio de resíduos.

Outro diferencial está na capacidade de revolver a areia para além da superfície, mas reter apenas os resíduos – inclusive os de menor tamanho e volume – e retornar a areia de volta à praia. Deste modo, outra conseqüência positiva está na redução dos custos de limpeza, uma vez que a máquina retira o mínimo de areia possível durante a operação.

“Isso tem nos ajudado também a pensar no redimensionamento do efetivo de limpeza de praia”, informa Gustavo Novaes. “Dos 72 agentes que atuam na praia, 16 deles também trabalham na faixa de areia. Temos conseguido uma redução da necessidade de atuação deles na área onde o equipamento tem atuado”, complementa o gestor.

Além de ter atuado bem na faixa de areia mais molhada – algo que não ocorria com a máquina de fabricação nacional –, o equipamento também se mostrou eficiente na remoção do sargaço. E mais: de acordo com o fabricante, a Beach Tech tem a capacidade de higienizar a areia da praia após três meses de utilização contínua.

“Há uma satisfação grande das pessoas. Temos ouvido elogios dos barraqueiros da região em razão da qualidade de limpeza da areia”, comemora o superintendente. “Em uma das nossas visitas, os barraqueiros pedem que a máquina passe antes na faixa de areia para eles instalarem as barracas e cadeiras e assim ajudar a atrair os clientes”, finaliza.

Mais uma etapa para a limpeza total da areia da praia de Camburi é realizada

© Anselmo Chagas / Global Garbage Brasil

© Anselmo Chagas / Global Garbage Brasil

Por Nelly Blanco

Correção nos campos de futebol e futevôlei e retirada de pedrinhas, cacos de vidro, espetos, tampinhas e todo material que possa machucar o pé dos banhistas e esportistas na praia de Camburi. Tudo isso aconteceu nesta quarta-feira (6), em uma ação de limpeza que durou o dia todo e contou com uma máquina retroescavadeira e outra com rastelo gigante.

O objetivo é deixar a praia ainda mais limpa para a chegada do verão. “Essa foi uma demanda do pessoal do esporte. E hoje (6) foi apenas a retomada da limpeza total da orla. O final da praia de Camburi foi um projeto piloto com o rastelo gigante. Fizemos o nivelamento e a limpeza dos campos. O maquinário usado foi um rastelo gigante produzido pela Secretaria Municipal de Serviços (Semse) com sucata. É um equipamento reciclado”, contou o subsecretário de Serviços, Sandro de Oliveira.

“O trabalho foi realizado para que quem corre na praia ou usa os campinhos não tenha mais problema com resíduos que possam machucar o pé. Além disso, a ação se mostrou muito eficiente com o rastelo gigante”, comentou o subsecretário de Limpeza Urbana, Cleiton Ferreira Monteiro.

A ação de limpeza da praia de Camburi teve início em agosto, nas proximidades do Clube dos Oficiais. No dia 23 de agosto, uma ação da Semse retirou 38 m³ de solo brita da areia da praia. O material foi retirado de uma faixa de 32 metros de comprimento por três metros de largura. A profundidade atingida foi de cerca de 50 centímetros.

Com edição de Matheus Thebaldi

Publicada em 06/11/2013, às 17h34
Prefeitura de Vitória