Lixo de navios em areias catarinenses

Embalagens internacionais encontradas em praias de Imbituba evidenciam falta de respeito às leis de prevenção da poluição marinha

Embarcações nem sempre destinam corretamente os resíduos gerados a bordo

Embarcações nem sempre destinam corretamente os resíduos gerados a bordo

Por Associação Mukti, Nosso Bem Estar
26/03/2014 15h49

Praias paradisíacas, dunas, lagoas, esportes radicais… essas são algumas das palavras que nos remetem à cidade de Imbituba. Contudo, nos últimos tempos, temos visto novos elementos nesta paisagem: navios de carga, dragas, guindastes, contêineres, pedaços de navios encalhados à beira mar, entre outros.

Como em tudo onde há a presença do ser humano, essas embarcações geram resíduos que são trazidos às praias pelas correntes marítimas, o que nos traz um questionamento: Será que isso é certo? Será que com a expansão do porto de Imbituba irá aumentar a quantidade de resíduos – lixo – encontrado em nossas praias?

Este artigo tem como objetivo informar ao leitor sobre como devemos agir e exercer nossa cidadania, fiscalizando esse ambiente e cuidando dessa paisagem para que ela continue linda de viver.

Segundo dados do Ministério do Meio Ambiente, as principais fontes de poluição dos oceanos são: a dragagem dos portos, o derramamento de óleo, o esgoto lançado pelas cidades e o descarte de resíduos feito diretamente no mar. Estima-se que até 20% do lixo marinho provém de navios, embora os números possam variar por região.

Com a construção e expansão de alguns dos portos brasileiros, a quantidade de navios percorrendo nossa costa aumentou consideravelmente nos últimos anos. Consequentemente a quantidade de resíduos encontrados no litoral também aumentou.

Os portos têm grande papel na fiscalização da destinação correta desses resíduos já que, como determina a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), quando um navio chega ao porto, deve entregar a este o lixo gerado a bordo. Por isso o porto precisa elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos.

O porto de Imbituba é um dos portos brasileiros que está em expansão. A presença de navios ao longo das praias do município está cada vez maior. Em seu Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos, esse porto prevê e contrata empresa terceirizada para realizar a coleta e destinação dos resíduos gerados em embarcações.

Contudo, de acordo com relatos de moradores da região, foi encontrado no litoral Imbitubense lixo característico de navio. Embalagens de origem internacional, latas de tinta e óleo, luvas de borracha, pincéis de tinta, panos impregnados de óleo, entre outros, são resíduos que começam a ser encontrados nas praias de Imbituba.

Todo o navio, quando destina os seus resíduos ao porto, deve pagar por esse serviço de recolhimento. E esta pode ser uma das causas pela qual as leis e políticas para correto acondicionamento/destinação desses resíduos não é respeitada.

De acordo com a Marinha Brasileira, o descarte de lixo na faixa de 200 milhas, que corresponde ao mar territorial brasileiro, é considerado crime passível de multa, que varia de R$ 7 mil a R$ 50 milhões. Apesar do rigor da punição, um flagrante nesses casos é praticamente impossível.

O lixo encontrado nas praias do mundo é altamente perigoso para a fauna associada ao ambiente marinho/litorâneo. Todos os anos são encontrados mamíferos marinhos e tartarugas mortos no litoral catarinense com a presença desses resíduos em seu aparelho digestivo, que pode até mesmo ter ocasionado a morte desses animais. As aves também são outro grupo altamente afetado por esse tipo de lixo.

Importante mencionar que ambientes sujos também NÃO são adequados para SERES HUMANOS.

O que fazer? 

Caso encontre resíduos que têm características de provirem de navios, recolher o resíduo (para que este não volte ao mar) e informar a vigilância sanitária do município.

Vigilância Sanitária de Imbituba: (48) 3255-2047

Curiosidade

São estimados que em torno de 6.4 milhões de toneladas de lixo marinho são descartadas nos oceanos e mares a cada ano. Cerca de 8 milhões de itens de lixo marinho são despejados nos oceanos e mares todos os dias. Mais de 13 mil pedaços de lixo plástico estão, atualmente, flutuando em cada quilômetro quadrado do oceano.

Bibliografia indicada: www.globalgarbage.org

Fonte: Associação MUKTI – www.muktiworld.org/brazil


Notícias relacionadas

Diretrizes do Programa Brasileiro de Monitoramento do Lixo Marinho de Navio
Os navios jogam lixo no mar?
Naufrágio da sujeira
Litoral ameaçado
Lixo estrangeiro polui o litoral
Lixos Migratórios
Praia Local, Lixo Global
Oportunidades de Transporte
Overseas garbage pollution on beaches of northeast Brazil
Lixo Marinho na Área de Desova de Tartarugas Marinhas do Litoral Norte da Bahia: conseqüências para o meio ambiente e moradores locais
Vídeos Ação Praia Local Lixo Global
Vídeos Catraca

Fernando de Noronha recolhe 240 toneladas de lixo por mês
RS: correntes marinhas levam lixo de várias partes do mundo a parque
Coleta de Lixo com equipe PNLP, Brigada de Incêndio juntamente com a Cavalgada Eco Açoriana
Coleta de Lixo no PNLP
Lixo marinho invade a Ilha do Cardoso
Potes de margarina dos Emirados Árabes aparecem boiando em praias de Maceió
Dezenas de potes de margarina de Dubai são encontrados na praia de Riacho Doce

Atratores luminosos: poluição na costa brasileira
Vão os Peixes, Ficam os Artefatos
Vídeos lightstick

ANTAQ – Agência Nacional de Transportes Aquaviários
Resolução ANTAQ Nº 2.190 de 28 de Julho de 2011
Norma de Retirada de Resíduos de Embarcações