A Comlurb participou neste domingo (07/12) de uma ação de conscientização na Prainha!

por Comlurb
08/12/2014 12:07:00

Foto: Comlurb

Foto: Comlurb

A Comlurb participou neste domingo (07/12) de uma ação de conscientização de limpeza na Prainha. O evento foi promovido pela Associação de Amigos e Surfistas da Prainha e contou com a presença do subprefeito da Barra, Alex Costa.

O Grupo Chegando de Surpresa animou os banhistas com musicas sobre limpeza urbana e meio ambiente, com a participação do gari Renato Sorriso e equipes de conscientização do Programa Lixo Zero. Enquanto a festa acontece, as equipes do Lixo Zero estarão conversando com moradores e visitantes sobre a importância de descartar o lixo corretamente, mantendo limpa a praia.

Vídeo: Cariocas e turistas sujam praias do Rio apesar do programa Lixo Zero

Várias latinhas foram encontradas jogadas em Copacabana.
Restos de comida e cachorros são fatores que contribuem para a poluição.

© Paula Giolito

© Paula Giolito

Bom Dia Brasil
Edição do dia 21/04/2014

O fim de semana foi de muita sujeira nas praias do Rio de Janeiro. A cidade tem um programa para multar quem joga lixo no chão, mas há uma série de péssimos exemplos nas areias.

A equipe do Bom Dia Brasil encontrou várias latinhas jogadas na praia de Copacabana e foi conversar com as pessoas que jogaram o lixo no local errado.

Repórter: Vocês deixaram 6 latinhas lá.
Banhista: Sim, porque passa alguém e pega.
Repórter: A latinha de vocês?
Banhista: Sim, nós bebemos.
Repórter: Quem pega?
Banhista: Os catadores de lata.
Repórter: Você acha que isso dá bom exemplo, deixar lixo na praia?
Banhista: Não, péssimo exemplo, mas a gente pensa no próximo, porque ele precisa também.

Alguns turistas paulistas também foram abordados:

Repórter: Vocês deixaram muito lixo na areia, e quem vai catar?
Senhor: Nós somos inteligentes, nós somos de São Paulo.
Senhora: Trouxemos uma sacolinha, colocamos lixo na sacolinha, não jogamos lixo.

Outro grupo levantou e deixou a praia cheia de lixo. A repórter pergunta para uma argentina se ela viu quem deixou o lixo e ela responde que as pessoas se foram e não levaram nada do que foi consumido.

Um dos cartões postais do Rio, a Praia de Copacabana ficou com as areias cheias de sujeira. Muitos dos dejetos vêm com a maré, mas muitos são de pessoas que deixam nas areias.

O programa “Lixo Zero” completou oito meses e as pessoas continuam sendo multadas. Quem for flagrado esquecendo um lixo na areia pode pagar a partir de R$ 98,00.

O programa da prefeitura tem apoio popular e já aplicou quase 48 mil multas em 62 bairros, nas ruas e praias da cidade. Nas orlas de Copacabana e Arpoador, a equipe não viu fiscais.

“O povo brasileiro vai sentir na hora que afetar o bolso dele, assim o povo funciona. Não custa nada trazer uma sacola. Se cada um fizer a sua parte vai ajudar, então todo mundo tem que fazer a sua parte”, defende o engenheiro Rodrigo Bessa.

Tem gente que não aguenta e até cata o lixo dos outros. “A gente fica ligado e briga com a pessoa. Fala com a pessoa: pô, recolhe o seu lixo”, conta o empresário Ricardo Coutinho.

Muitos barraqueiros também fazem a sua parte. “Estou varrendo porque aqui é o lugar mais lindo que existe no Brasil e aqui é onde começa a Cidade Maravilhosa”, diz o barraqueiro Jeziel Cruz.

“Temos esses sacos reciclados para os clientes quando vêm pedir para não deixar o lixo espalhado pelo chão”, defende o barraqueiro Douglas Inácio.

O último monitoramento quinzenal das areias das praias do Rio feito pela Secretaria do Meio Ambiente revela que, das 36 praias, metade foi considerada não recomendada.

Muita gente acha que comida é biodegradável e que não vai fazer mal à natureza, mas isso é um engano. Restos de comida e a presença de cachorros na praia são dois dos fatores que mais contribuem para a poluição nas areias. É aquela poluição que ninguém vê: bactérias, coliformes fecais.

“Lugar de cachorro não é na praia”, defende um banhista. Outro visitante defende o cão: “o meu cachorro ele não está poluindo nada. Está brincando com a bola e está sujando muito menos que todo mundo que está aí”.

“Fica difícil.  Não dá para as crianças conviver, brincar na areia com os cachorros passeando para lá e pra cá, fazendo as suas necessidades. Aí complica, a criança pode pegar uma doença”, lamenta o barraqueiro Diego Rocha.

A Companhia de Limpeza disse que programa Lixo Zero tem 51 equipes na orla do Rio.

Clique aqui para assistir ao vídeo

Nas areias, limpeza quase impossível

Fiscais encontram dificuldades para autuar quem joga lixo nas praias
Comlurb promete aumentar o contingente e ajustar estratégias

Sujeira. Lixo deixado por banhistas na areia de Ipanema Paula Giolito / Paula Giolito

Sujeira. Lixo deixado por banhistas na areia de Ipanema Paula Giolito / Paula Giolito

LÍVIA NEDER
Publicado: 17/10/13 – 5h00

RIO – Domingo de sol, praias lotadas. É hora de os fiscais do programa Lixo Zero, da prefeitura, entrarem em cena. Entretanto, diferentemente das ações realizadas pelos bairros e nos calçadões, coibir quem joga lixo nas areias não tem sido uma tarefa simples. Um balanço com o número de multas aplicadas desde que o programa começou na Zona Sul, há um mês e meio, reflete essa dificuldade. Das 2.846 multas, apenas 145 foram na orla.

Ao flagrar uma banhista jogar uma guimba de cigarro no calçadão de Ipanema, o fiscal da Comlurb Marcos Henrique da Silva precisou aguardar cerca de 20 minutos para aplicar a multa. A banhista entrou no banheiro do Posto 9 e demorou a sair. Quando enfim foi abordada, fugiu correndo pela areia.

— Precisamos ver o cidadão cometer a infração para poder multar. No caso do cigarro, acaba sendo mais fácil flagrar. Já na areia, temos dificuldade de multar quem deixa o lixo porque só podemos provar se estivermos vendo na hora que a pessoa levanta e deixa o lixo para trás — declarou.

Ciente das dificuldades da aplicação da lei na areia, o presidente da Comlurb, Vicente Roriz, afirma que ajustes estão sendo feitos e que vai aumentar o contingente de homens e e o número de lixeiras na orla:

— Temos que repensar o modelo para os agentes ficarem mais estimulados. Vamos adquirir mais uniformes de praia e deslocar mais homens para as areias. Mais do que fiscalizar, queremos que a praia fique limpa no final do dia. Para isso, estamos com uma parceria com os barraqueiros, que vão nos ajudar na conscientização.

VEJA TAMBÉM
VÍDEO Lixo Zero nas praias da Zona Sul

Jornal O Globo

Lixo se acumula na praia de São Conrado, Zona Sul do Rio

Seringas usadas, lixo domiciliar e até animais mortos foram encontrados.
Inea afirma que equipe de fiscalização foi enviada ao local.

Leandro Martins Ferreira do Carmo
Internauta, Rio de Janeiro, RJ

Muito lixo foi encontrado acumulado na areia da praia de São Conrado, localizada na Zona Sul do Rio de Janeiro, na manhã da sexta-feira (7). O professor de educação física Leandro Martins Ferreira do Carmo filmou as condições da orla e enviou ao VC no G1.

Ele alega que o lixo vem de uma tubulação de esgoto não tratado que é jogado ao mar. “O lixo fica boiando e a maré leva para a areia. Isso acontece diariamente. Como em São Conrado não tem uma estação de tratamento, tudo é jogado dentro do mar. A prefeitura tem uma equipe da Comlurb que vai à praia recolher esse lixo, das 6h às 8h, mas não é o suficiente. São Conrado tem uma estação de tratamento de esgoto, mas ela não funciona. Os clientes e donos de restaurantes já reclamam que o cheiro do esgoto vai para dentro dos estabelecimentos. Importante ressaltar que o bairro tem um dos IPTUs mais caros da cidade”, afirma.

Nota da Redação: procurado pelo G1, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) informa que uma equipe da gerência de fiscalização foi enviada ao local nesta segunda-feira (10) para verificar a possibilidade de identificação do material.

Sobre a coleta de lixo na praia, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) diz que a limpeza é feita diariamente a partir das 6h, com repasse durante a tarde. O órgão diz que “além da limpeza manual feita pelos garis, também é utilizado o trator que peneira e faz a aeração da areia. Também é feito o recolhimento do lixo trazido pela maré e a  limpeza da vala que se forma na areia após as chuvas”.

Em adição, Comlurb informa que o Programa Lixo Zero, que prevê a aplicação de multas para quem sujar a cidade, terá início em 1º de julho.

Clique aqui para assistir ao vídeo

10/06/2013 18h26
VC no G1 RJ