Tweet do dia – Phil Rajzman

© Phil Rajzman

© Phil Rajzman

Em 100 metros de recolhimento do micro lixo na praia da reserva, muita sujeira… Se cada um fizer sua parte tudo melhora! #SomosTodosUm #reservalores – #Aho – @acaifrooty@ervaria@hobiesurfboards – #SuperGlass – @marcelo.c.dasilva.520@julliroldao

Tweet do dia – Phil Rajzman

© Phil Rajzman

© Phil Rajzman

Ontem quase me machuquei surfando na Barra da Tijuca, mas precisamente no Postinho (em frente ao K08 Club – local das ultimas etapas do Campeonato Mundial). Avistei um pedaço enorme de fibra embaixo da água enquanto fazia uma manobra. Por sorte consegui pular a tempo e desviar. Galera, vamos prestar muita atenção no surf essa semana. O que tudo indica é que esses pedaços, que são da mesma cor da areia, estão vindo do iate que estava encalhado na Praia da Reserva (9,5 km de distância). Vamos fazer nossa parte em tirar tudo que encontramos na água para evitar que esse lixo se espalhe pela nossa costa, pondo em risco a vida marinha e a nós mesmos! #omaréminhacasa #animaiscomemplástico

Earlier today I almost hurt myself surfing in the beach of Barra da Tijuca (At Postinho, in front of K08 – Where the last rounds of the World Championship took place). I saw a huge piece of fiber underwater while doing a maneuver and luckily I managed to skip in time. Guys, let’s pay attention in the surfing this week. What it indicates is that these pieces, which are the same color as the sand, are coming from the yacht that was stranded on the Reserve beach (9.5 km away). Let’s do our part and take every piece of this garbage that we’ll probably find in the water to prevent the spreading of it by our shores, putting the marine life and ourselves in risk! #theseaismyhome #animalseatsplastic

Vídeo: Cariocas e turistas sujam praias do Rio apesar do programa Lixo Zero

Várias latinhas foram encontradas jogadas em Copacabana.
Restos de comida e cachorros são fatores que contribuem para a poluição.

© Paula Giolito

© Paula Giolito

Bom Dia Brasil
Edição do dia 21/04/2014

O fim de semana foi de muita sujeira nas praias do Rio de Janeiro. A cidade tem um programa para multar quem joga lixo no chão, mas há uma série de péssimos exemplos nas areias.

A equipe do Bom Dia Brasil encontrou várias latinhas jogadas na praia de Copacabana e foi conversar com as pessoas que jogaram o lixo no local errado.

Repórter: Vocês deixaram 6 latinhas lá.
Banhista: Sim, porque passa alguém e pega.
Repórter: A latinha de vocês?
Banhista: Sim, nós bebemos.
Repórter: Quem pega?
Banhista: Os catadores de lata.
Repórter: Você acha que isso dá bom exemplo, deixar lixo na praia?
Banhista: Não, péssimo exemplo, mas a gente pensa no próximo, porque ele precisa também.

Alguns turistas paulistas também foram abordados:

Repórter: Vocês deixaram muito lixo na areia, e quem vai catar?
Senhor: Nós somos inteligentes, nós somos de São Paulo.
Senhora: Trouxemos uma sacolinha, colocamos lixo na sacolinha, não jogamos lixo.

Outro grupo levantou e deixou a praia cheia de lixo. A repórter pergunta para uma argentina se ela viu quem deixou o lixo e ela responde que as pessoas se foram e não levaram nada do que foi consumido.

Um dos cartões postais do Rio, a Praia de Copacabana ficou com as areias cheias de sujeira. Muitos dos dejetos vêm com a maré, mas muitos são de pessoas que deixam nas areias.

O programa “Lixo Zero” completou oito meses e as pessoas continuam sendo multadas. Quem for flagrado esquecendo um lixo na areia pode pagar a partir de R$ 98,00.

O programa da prefeitura tem apoio popular e já aplicou quase 48 mil multas em 62 bairros, nas ruas e praias da cidade. Nas orlas de Copacabana e Arpoador, a equipe não viu fiscais.

“O povo brasileiro vai sentir na hora que afetar o bolso dele, assim o povo funciona. Não custa nada trazer uma sacola. Se cada um fizer a sua parte vai ajudar, então todo mundo tem que fazer a sua parte”, defende o engenheiro Rodrigo Bessa.

Tem gente que não aguenta e até cata o lixo dos outros. “A gente fica ligado e briga com a pessoa. Fala com a pessoa: pô, recolhe o seu lixo”, conta o empresário Ricardo Coutinho.

Muitos barraqueiros também fazem a sua parte. “Estou varrendo porque aqui é o lugar mais lindo que existe no Brasil e aqui é onde começa a Cidade Maravilhosa”, diz o barraqueiro Jeziel Cruz.

“Temos esses sacos reciclados para os clientes quando vêm pedir para não deixar o lixo espalhado pelo chão”, defende o barraqueiro Douglas Inácio.

O último monitoramento quinzenal das areias das praias do Rio feito pela Secretaria do Meio Ambiente revela que, das 36 praias, metade foi considerada não recomendada.

Muita gente acha que comida é biodegradável e que não vai fazer mal à natureza, mas isso é um engano. Restos de comida e a presença de cachorros na praia são dois dos fatores que mais contribuem para a poluição nas areias. É aquela poluição que ninguém vê: bactérias, coliformes fecais.

“Lugar de cachorro não é na praia”, defende um banhista. Outro visitante defende o cão: “o meu cachorro ele não está poluindo nada. Está brincando com a bola e está sujando muito menos que todo mundo que está aí”.

“Fica difícil.  Não dá para as crianças conviver, brincar na areia com os cachorros passeando para lá e pra cá, fazendo as suas necessidades. Aí complica, a criança pode pegar uma doença”, lamenta o barraqueiro Diego Rocha.

A Companhia de Limpeza disse que programa Lixo Zero tem 51 equipes na orla do Rio.

Clique aqui para assistir ao vídeo

Tweet do dia – Fabrício Yuri

Frequentadores da praia de Icaraí, em Niterói (RJ), tiveram que compartilhar a areia com muito lixo

© Sandro Vox/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

© Sandro Vox/Agência O Dia/Estadão Conteúdo

5.jan.2014 – Frequentadores da praia de Icaraí, em Niterói (RJ), tiveram que compartilhar a areia com muito lixo, neste domingo (5), no encerramento da semana do Réveillon

UOL Notícias

NOO DOCS | LIXÃO

Um dia, 40 toneladas de lixo. A NOO TV registrou a ação em Copacabana

22/01/2014 às 5:27 pm – por Olivia Nachle

E a cena se repete diariamente. A praia lota, a galera se diverte, biscoito Globo aqui, mate acolá, cervejinha pra refrescar. Um cigarrinho, o chicletão, a embalagem da revista. Curtição total. Admitamos: não tem melhor lugar pra gastar a onda que não na praia. Tá com calor? Vai no mar! Refrescou? Volta pro sol. A praia é sua, também, ô se é. Mas não dá pra entender direito por que raios, no fim do dia, quando todo mundo já voltou pro conforto das suas casas, aquele praião que você encontrou de manhã tá cheio, cheinho, cheiaço de lixo. O pacote do Globo, o copo do mate, a garrafa do Guaraviton, as guimbas do cigarro, o papel do chiclete, o plástico… Ficou tudo lá. POR QUE, RAIOS!?

Faltou levar bronca dos pais quando pequeno? Faltaram campanhas pra conscientizar? Faltou saber das consequências diretas de “esquecer” o lixo na praia?Faltou sentir no bolso o preço do seu lixo? Pode ser. Mas, sejamos honestos, no fundinho, todo mundo sabe que é errado jogar lixo no chão. Na areia, então…

Todo esse sermão porque, vem dia, passa dia, e tudo continua na mesma. Prova concreta, explícita, demonstrada disso: no feriado de segunda-feira, Dia de São Sebastião, padroeiro do Rio, uma parceria entre a Comlurb e o movimento “Rio Eu Amo, Eu Cuido” escancarou toda essa sujeira. Todo o lixo deixado nas areias da Praia de Copacabana foi reunido e exposto na altura da Rua Constante Ramos. 40 toneladas de lixo. QUARENTA TONELADAS “esquecidas” na areia. Na areia da praia, da sua praia. Esse mesmo lixo que, com a subida da maré, com o vento, com a chuva, vai pro mar. Pro mesmo mar que refresca quando você fica com calor. Você provavelmente já deu um mergulhão e teve um rótulo de garrafa d’água grudado na sua perna. A vida marinha sente diretamente essa sujeirada toda.

“As pessoas acham que o pequeno lixo, uma guimba, um copinho, não incomoda. Mas essa montanha de lixo é feita de pequeno lixo. O lixo de cada um faz uma grande diferença”, conta Ana Lycia Gayoso, coordenadora do movimento. E faz mesmo. Nesse caso aquela velha máxima “não é porque os outros fazem que você pode fazer” vale muito. Isso não é justificativa. Conscientização é a palavra principal. E é isso que essa ação quis despertar nas pessoas. Porque, desde o primeiro dia do verão, quem jogou lixo e foi pego pelos fiscais sentiu direto no bolso, com multa que vai de R$98 a R$3 mil. Ou seja, é melhor criar o hábito de levar seu lixinho próprio e jogá-lo no lugar certo.

A NOO acompanhou a ação, com imagens lindas do praião e todo o resultado feio da montanha de lixo que se formou. Play já!


Imagens | Fernando Muñoz e Luiz Felipe Berto

Edição | Fernando Muñoz e Luiz Felipe Berto

Produção | André Neves

Arte | Luiz Felipe Berto

Agradecimentos | Gefferson Alves | Hotel Pestana | Rio Eu Amo Eu Cuido | Prefeitura do Rio