O gosto amargo da baía

A repórter Bruna Talarico conheceu um cenário assustador sob as águas

Bruna com um boneco do Patolino (superior esq.), uma mesa de plástico (à dir.), tênis, triciclo e um pneu: retratos do descaso Fotos: Rodrigo Thome/2olhares.com

Bruna com um boneco do Patolino (superior esq.), uma mesa de plástico (à dir.), tênis, triciclo e um pneu: retratos do descaso
Fotos: Rodrigo Thome/2olhares.com

por Bruna Talarico

“Foram necessárias algumas dezenas de telefonemas para encontrar alguém disposto a fazer o que parecia inconcebível: servir de guia para um mergulho em uma das baías mais famosas do mundo. Os motivos para as negativas eram os mais diversos e variavam da forte correnteza, da sujeira da água aos perigos decorrentes do material submerso. Depois de contatarmos cinco empresas especializadas em manutenção de estruturas subaquáticas e de navios, conseguimos reunir o grupo que topou a missão. Sob o comando de Welington Vieira, a traineira Parcel deixou o píer da Marina da Glória, às 8 da manhã do último dia 4, rumo ao Canal do Cunha. A bordo, o fotógrafo Felipe O’Neill registrava os bastidores da excursão e o repórter Ernesto Neves conferia in loco os efeitos das obras e das intervenções para limpeza da baía. Ele notou, por exemplo, que a dragagem entre o continente e a Ilha do Fundão, apesar de já ter retirado 5 milhões de metros cúbicos de lodo, não foi suficiente para evitar que a embarcação atolasse seguidas vezes.

Rumamos para a Urca, onde as condições de visibilidade e o menor trânsito de barcos permitiriam enxergar o fundo com a ajuda de refletores. Foi o momento de vestir a roupa de neoprene, calçar as nadadeiras, colocar os cilindros de oxigênio e os óculos de mergulho. O primeiro a entrar em contato com a água foi o fotógrafo Rodrigo Thomé, que já havia feito fotos com a câmera mergulhada na lâmina d’água do Canal do Cunha. Desci em seguida. O guia Roberto Bormann veio logo depois. Rapidamente deu para sentir a água fria e o verde-musgo atravessar o tecido emborrachado e molhar a pele — o neoprene não isola completamente o corpo do mergulhador. Seis metros abaixo, pudemos observar e explorar, com as próprias mãos, a degradação sofrida pela natureza. Foram quarenta minutos submersos, divididos em dois pontos: a Urca e a Praia de Botafogo. Além do asco provocado pela quantidade impressionante de lixo, comecei a ficar aflita quando percebi que o respirador estava vazando uma pequena quantidade de água para a minha boca. Nesse momento, descobri que a Baía de Guanabara tem gosto amargo. Quando subi à superfície, outra cena escatológica: meu rosto e minhas orelhas tinham várias placas pretas gosmentas de sujeira. Foi nojento.”

19 de Junho de 2013
Veja Rio

Pintou sujeira

A FOTO DE HOJE

Veja como é difícil manter a praia limpa com tanto porcalhão jogando lixo na água. A imagem, do leitor Príamo de Melo, professor de engenharia química na Coppe/UFRJ, é da Praia Vermelha, na Urca, no Rio. É uma pena. Esta praia, veja só, acabou de ganhar quatro estrelas no Programa Areia Carioca, da Secretaria de Meio Ambiente do Rio. Só que as chuvas de verão e as correntes marinhas levaram para as areias da Urca muita sujeira que flutuava na Baía de Guanabara. Imagina na Olimpíada!

Foto: Príamo de Melo

Foto: Príamo de Melo

Enviado por Ancelmo Gois – 25.01.2013 | 12h50m
Ancelmo.com