Hoje caminhando na praia resolvi juntar todo o lixo que encontrasse pelo caminho

© Raquel Latalisa

© Raquel Latalisa

Raquel Latalisa
Instagram

Hoje caminhando na praia resolvi juntar todo o lixo que encontrasse pelo caminho. Infelizmente não é pouca coisa. O lixo é em sua grande maioria plástico, e pode ser encontrado já no mar ou até mesmo pouco visto por já estar praticamente enterrado na areia. O tempo de decomposição do plástico é de no MÍNIMO 100 anos. Isso quando os animais como tartarugas comem pensando que é comida. E isso me incomoda e me deixa muito triste. Os animais não têm nada a ver com isso e nem podem pagar pela falta de consciência e educação de nós, seres RACIONAIS. Vamos cada um fazer nossa parte, conscientize! “Só jogue no mar o que peixe come”

Lixo se intromete em foto de turista na praia de Copacabana

22.jan.2014 - A corrente marítima levou o lixo da baía de Guanabara para as águas da praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22) Domingos Peixoto/Agência O Globo

22.jan.2014 – A corrente marítima levou o lixo da baía de Guanabara para as águas da praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22)
Domingos Peixoto/Agência O Globo

22.jan.2014 - A corrente marítima levou o lixo da baía de Guanabara para as águas da praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22) Domingos Peixoto/Agência O Globo

22.jan.2014 – A corrente marítima levou o lixo da baía de Guanabara para as águas da praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, nesta quarta-feira (22)
Domingos Peixoto/Agência O Globo

Operação Praia Limpa Ilhabela

Operação Praia Limpa Ilhabela

Operação Praia Limpa Ilhabela

As pessoas estão começando a perceber como vêm tratando mal o nosso planeta, pelo uso excessivo dos recursos naturais, pela poluição e pelo descaso para com seus delicados ciclos naturais. Exemplo típico é o lixo jogado pela janela dos veículos e os resíduos “esquecidos” nas praias e cachoeiras.

Os banhistas e turistas que usufruem das praias de Ilhabela aumentam consideravelmente a produção de lixo, o que torna necessário uma atuação mais constante de campanhas de conscientização e educação ambiental.

A Operação Praia Limpa, é um projeto realizado com sucesso em Ilhabela há 3 anos consecutivos durante a temporada de Verão com diversas ações e campanhas de educação e conscientização ambiental, com apoio da Prefeitura Municipal de Ilhabela, patrocinadores que apoiam a causa e mídia da rede Vanguarda de Televisão.

O objetivo principal é de continuar envolvendo, incentivando e conscientizando os turistas, comunidade local e as crianças, sobre a importância de preservar e manter as praias, ruas e cachoeiras do Arquipélago limpas destinando corretamente o lixo e os resíduos sólidos para reciclagem. Proporcionando melhor qualidade de vida e de turismo no arquipélago, estamos reduzimos o despejo de lixo inadequado, impactos negativos e estéticos no município preservando o meio ambiente e a vida marinha. Considerando de suma importância a continuidade deste projeto, contamos com o patrocínio de empresas parceiras do meio ambiente. Lembrando que é uma oportunidade de publicidade e marketing sensacional para inserir sua marca no material promocional e mídia que envolve a campanha!!!

Início da Campanha: 30/12/2013
Término da Campanha: 05/03/2014

Notícias relacionadas
Análise de política pública sobre lixo marinho em diferentes níveis governamentais

Lixo e esgoto irregular poluem praias de Salvador

Mancha, aparentando ser esgoto, afugentou banhistas em Patamares, em março passado. © Raul Spinassé | Ag. A TARDE | 05.03.2013

Mancha, aparentando ser esgoto, afugentou banhistas em Patamares, em março passado. © Raul Spinassé | Ag. A TARDE | 05.03.2013

Flávia Faria
Portal A TARDE

Lixo jogado nas ruas e ligação irregular de esgoto à rede pluvial. São esses os principais responsáveis pela poluição das praias de Salvador e região metropolitana.

Segundo relatório do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos da Bahia (Inema) divulgado na última sexta-feira, 20, das 34 praias analisadas não apresentavam condições para banho. A praia mais famosa da cidade, o Porto da Barra, é uma delas.

No mesmo período do ano passado (segunda semana de novembro), eram 15 os locais inadequados para os banhistas. O Porto, porém, não estava incluso.

O levantamento analisa a água das últimas cinco semanas e determina como impróprios os locais em que ao menos 20% das amostras apresentam alta concentração de coliformes.

De acordo com Eduardo Topázio, coordenador de monitoramento do Inema, é comum que, em períodos chuvosos, mais praias tenham problemas em relação à balneabilidade.

Isso  porque  boa parte do lixo das ruas escorre com a água da chuva para o sistema de drenagem pluvial, despejado nas praias.

Além disso, segundo conta o engenheiro civil e professor da Universidade Católica do Salvador (Ucsal), Edgarde Cerqueira, são muitas as construções irregulares cujo esgoto é despejado na rede de coleta da água da chuva.

“Quando não chove, é feita a chamada captação de tempo seco: a água de córregos e manilhas de drenagem é desviada para estações de tratamento. Em dias de chuva, porém, corre tudo para a praia”, explicou.

Zona nobre

Isso não acontece apenas nas zonas mais pobres, onde são muitas as construções realizadas de maneira irregular.

Cerqueira, que durante muitos anos prestou serviços à Embasa, explica que em locais nobres, como Pituba, Graça e Itapuã, ainda há prédios e condomínios relativamente antigos que não têm ligação à rede de esgoto.

“Antigamente se usavam fossas, mas elas saturaram e muitos ligaram à rede pluvial. Até hoje, muitos síndicos, por desconhecimento, não fizeram a ligação à rede”, disse.

Segundo dados divulgados pela Embasa, 81% da cidade é coberta pela rede de esgoto. São 450.613 ligações domiciliares.

Confira a localização exata das praias impróprias

Periperi (atrás da estação Férrea)
Penha (em frente à Igreja N. S. da Penha)
Bogari (em frente ao Colégio João Florêncio Gomes)
Pedra Furada (atrás do Hospital Sagrada Família)
Roma (atrás do Hospital São Jorge), Canta Galo (atrás da antiga fabrica da Brahma, atual FIB)
Porto da Barra (em frente à Rua Cezar Zama)
Ondina (em frente ao posto Shell)
Rio Vermelho (em frente à Rua Bartolomeu de Gusmão e em frente à Igreja N. S. Santana)
Amaralina (em frente à Escola Cupertino de Lacerda e em frente ao Edifício Atlântico),
Pituba (em frente à Rua Paraíba, próximo ao Ki-Mukeka e atrás do antigo Clube Português)
Armação (em frente ao Clube Inter. Pass)
Boca do Rio (em frente ao Posto Salva Vidas), Corsário (em frente ao Posto Salva Vidas e em frente ao Posto Salva Vidas Patamares)
Itapuã (em frente à Sereia de Itapuã) e Buraquinho (em frente à barraca de praia Chalé)

Ter , 12/11/2013 às 08:40
Portal A TARDE

Tweet do dia – Thomas Verissimo

Mais uma etapa para a limpeza total da areia da praia de Camburi é realizada

© Anselmo Chagas / Global Garbage Brasil

© Anselmo Chagas / Global Garbage Brasil

Por Nelly Blanco

Correção nos campos de futebol e futevôlei e retirada de pedrinhas, cacos de vidro, espetos, tampinhas e todo material que possa machucar o pé dos banhistas e esportistas na praia de Camburi. Tudo isso aconteceu nesta quarta-feira (6), em uma ação de limpeza que durou o dia todo e contou com uma máquina retroescavadeira e outra com rastelo gigante.

O objetivo é deixar a praia ainda mais limpa para a chegada do verão. “Essa foi uma demanda do pessoal do esporte. E hoje (6) foi apenas a retomada da limpeza total da orla. O final da praia de Camburi foi um projeto piloto com o rastelo gigante. Fizemos o nivelamento e a limpeza dos campos. O maquinário usado foi um rastelo gigante produzido pela Secretaria Municipal de Serviços (Semse) com sucata. É um equipamento reciclado”, contou o subsecretário de Serviços, Sandro de Oliveira.

“O trabalho foi realizado para que quem corre na praia ou usa os campinhos não tenha mais problema com resíduos que possam machucar o pé. Além disso, a ação se mostrou muito eficiente com o rastelo gigante”, comentou o subsecretário de Limpeza Urbana, Cleiton Ferreira Monteiro.

A ação de limpeza da praia de Camburi teve início em agosto, nas proximidades do Clube dos Oficiais. No dia 23 de agosto, uma ação da Semse retirou 38 m³ de solo brita da areia da praia. O material foi retirado de uma faixa de 32 metros de comprimento por três metros de largura. A profundidade atingida foi de cerca de 50 centímetros.

Com edição de Matheus Thebaldi

Publicada em 06/11/2013, às 17h34
Prefeitura de Vitória

Lixo na praia é um saco

Sujeira. Lixo deixado por banhistas na areia de Ipanema Paula Giolito / Paula Giolito

Lixo deixado por banhistas na areia de Ipanema. © Paula Giolito

Durante os meses de outubro e novembro de 2013 o Rio Eu Amo Eu Cuido em parceria com a Limppano realizou a ação Lixo Na Praia É Um Saco, na qual 46 suporte com sacos ecológicos foram distribuídos pela orla da cidade para facilitar o descarte correto do lixo gerado na praia. Confira!

31/10/2013
RIO EU AMO EU CUIDO